MINIARTIGO

(SÉRIE “TOMADA DE DECISÃO”)

—- TI-TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO—-

Professor Doutor Antonio de Loureiro Gil

QUESTÃO.

  • “MODELOS DECISÓRIOS NO AMBIENTE DA LOGÍSTICA ORGANIZACIONAL DEVEM CONTEMPLAR A VERTENTE “GOVERNANÇA DA QUALIDADE DA SUSTENTABILIDADE”?”

INTRODUÇÃO.

As variáveis da vertente “governança da qualidade da sustentabilidade” são os tijolos para a construção de um modelo de gestão organizacional vitorioso quando do tratar:

1 – “governança” —- na perspectiva da “transparência” e da “responsabilidade”.

2 – “qualidade” —- com a lógica evolutiva “ser hoje melhor do que ontem e amanhã melhor do que hoje”.

3 – “sustentabilidade” —- com a visão do futuro “não esgotar hoje os recursos necessários ao amanhã organizacional”.

A vertente “conformidade / compliance; customização / adaptação; inovação / pioneirismo” sintonizada  á vertente “governança; qualidade; sustentabilidade” viabiliza a tecnologia para gestão e operação do processo / produto organizacional —- “processos decisórios” em ação:

1 – “governança” (transparência e responsabilidade) da lógica:

  • “conformidade / compliance”.

—- quando o controle interno, como conjunto de regras e práticas organizacionais formatadas via regulamentações, contratos, documentação de sistemas de informações é atenção prioritária para a qualidade da sustentabilidade organizacional.

1.2 – “inovação / pioneirismo”:

—– quando a força da mudança / da transformação / da evolução atende ás exigências dos parâmetros da gestão (efetividade; eficácia; eficiência; economicidade; produtividade; segurança; regulamentações) com o ajustar da “qualidade da sustentabilidade” com nova natureza de controle interno dentro de novos patamares técnico – operacionais organizacionais.

  • “customização / adaptação”:

—- quando a sinergia gerada pelo espraiar —- por áreas e sistemas do negócio —-  de novas práticas técnico – operacionais traduz e conduz a força organizacional diante de concorrentes e do mercado.

2 – “qualidade” (na perspectiva do horizonte “ presente / futuro” organizacional) com a lógica.

2.1 – “conformidade / compliance”.

—- quando os recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros integrantes dos eventos organizacionais são objeto de planejamento e de controle na perspectiva de “quality assurance” (garantia da qualidade do processo) e de “quality control” (controle da qualidade do produto).

2.2 – “inovação / pioneirismo”.

—- quando há “up grade” / crescimento funcional dos recursos inerentes aos eventos organizacionais, em decorrência de mudanças, com o estabelecer melhor diferencial competitivo ao negócio privado ou governamental.

2.3 – “customização / adaptação”.

—- quando a disseminação de novas práticas e características funcionais gera maior homogeneidade ao processo / produto organizacional com ganhos relativos á sinergia obtida.

3 – “sustentabilidade” (tratar os recursos organizacionais de hoje na perspectiva do amanhã) com a lógica de:

3.1 – “conformidade / compliance”.

—- quando normas, regulamentações e legislação são atendidas ou ajustadas no sentido de garantir ou preservar continuidade organizacional para um amanhã viável / factível.

3.2 – “inovação / pioneirismo”.

—- quando o ajuste na preservação de recursos derivado de eventos contingentes é exercido como decorrência de “não recorrência” ou de “acaso” estimado / desejado de cenários futuros do negócio.

3.3 – “customização / adaptação”.

—- quando a disseminação das expectativas futuras é rapidamente assumida pelas diversas áreas ou linhas de negócio com ganhos relacionados a falhas de natureza duplicidade ou desperdício de recursos organizacionais.

A LÓGICA E A PROVA DO ARGUMENTO.

As organizações utilizam o modelo “problema; estratégia; projeto; solução” quando do exercício de “processos decisórios” para evoluir de patamar técnico – operacional durante seu “ciclo de vida” (engenharia do produto; engenharia do processo; especificação do processo).

O modelo “problema; estratégia; projeto; solução” é regido / influenciado / submetido á combinação / sintonia das vertentes “governança da qualidade da sustentabilidade” e “conformidade / compliance; customização / adaptação; inovação / pioneirismo”.

Este modelo no momento logística organizacional requer a sustentação de três visões / áreas tecnológicas organizacionais:

1 – visão comportamental.

2 – visão de risco.

3 – visão contábil – financeira.

A visão comportamental lida com a sintonia da “cultura organizacional versus o comportamento funcional” influenciado por informações e conhecimento externos (inteligência competitiva) e internos (inteligência do negócio).

A visão de risco tem a componente funcional de “aversão ao risco” associada ás tecnologias qualitativas (gestão do conhecimento direcionada á ideia da incerteza) e quantitativas (modelagem matemática do risco) de eventos contingentes associados aos cenários futuros do negócio privado ou governamental.

A visão contábil – financeira (controladoria) traduz e explicita com a métrica monetária as características de cada variável do modelo “problema; estratégia; projeto; solução”.

A tomada de decisão é a razão de ser da gestão, assim como, a recomendação (decisão na área de auditoria) é a razão de ser da auditoria.

Metodologias para tomada de decisão requerem equipes multidisciplinares para seu exercício e, portanto, talentos e conhecimentos diversificados / variados são necessários ás empresas vencedoras no século XXI.

                                               MUITO IMPORTANTE.

  ABORDAR A SOLUÇÃO DE PROBLEMAS IMPLICA

OBSERVÁ – LOS DE PONTOS DE VISTA DIFERENTES.

CONCLUSÃO.

Processos decisórios ocorrem na extensão do horizonte “presente / futuro” e implicam na utilização das tecnologias gerenciais:

1 – viagem virtual no espaço / tempo gestional.

2 – gestão de planos alternativos de ação.

3 – engenharia reversa de resultados / cenários simulados paralelos.

4 – retrocausalidade gestional.

5 – não localidade gestional.

6 – mapa contingencial / gestional.

7 – fluxo lógico “WBS” para viagem no espaço / tempo gestional.

O modelo “problema; estratégia; projeto; solução” apoiado na sintonia das vertentes “governança; qualidade; sustentabilidade” e “conformidade / compliance; customização / adaptação; inovação / pioneirismo” necessita de metodologia de trabalho adequada e voltada para o sucesso organizacional:

—- metodologia “CCM; DEQ; SWOT; BSC; PMBOK; BIN / MARCA PRÓPRIA”.

O uso da tecnologia da informação (TI) melhor viabiliza a metodologia para processos decisórios quando da logística organizacional.

Dê um “banho” de cultura gerencial e tecnológica do século XXI aos profissionais de sua organização ou aos alunos de seus cursos de pós-graduação —- contrate o professor Loureiro Gil e equipe para explanar ou desenvolver as abordagens discorridas no presente mini artigo.

Incorporar nova lógica, práticas e tecnologias para a gestão de negócios privados ou governamentais é momento atual das organizações vencedoras neste século XXI.

A educação nos níveis de graduação, pós-graduação (extensão e especialização), mestrado acadêmico ou profissionalizante (MBA) ou de doutorado —- nas faculdades e universidades privadas ou públicas, bem como, nas universidades corporativas —- na atividade “Processos Decisórios – A Tomada de Decisão” deve ser analisada e revisada.

O PROFESSOR GIL E EQUIPE POSSUEM A COMPETÊNCIA, A QUALIDADE PROFISSIONAL E A ABORDAGEM TECNOLÓGICA PARA DESENVOLVER, EXPLICAR E APLICAR AS IDÉIAS DISCUTIDAS.

Pesquisas, consultoria, trabalhos acadêmicos, palestras, seminários, disciplinas de pós-graduação (especialização; MBA; mestrado acadêmico; doutorado) são de importância definitiva para trabalhar “Processos Decisórios — A Tomada de Decisão”.

 

4 – BIBLIOGRAFIA.

1 — LIVRO “DESAFIO AOS DEUSES – A FASCINANTE HISTÓRIA DO RISCO”—AUTOR: PETER BERNSTEIN – (EDITORA CAMPUS) DO RIO DE JANEIRO – PRIMEIRA EDIÇÃO 1996 .

2 – LIVRO “GESTÃO: CONTROLE INTERNO, RISCO E AUDITORIA” – AUTORES: ANTONIO DE LOUREIRO GIL; CARLOS HIDEO ARIMA; WILSON TOSHIRO NAKAMURA – EDITORA SARAIVA DE SÀO PAULO – PRIMEIRA EDIÇÃO – MARÇO DE 2013.

3 – LIVRO: “CONTINGÊNCIAS EM NEGÓCIOS” – AUTOR: ANTONIO DE LOUREIRO GIL – EDITORA SARAIVA DE SÃO PAULO – PRIMEIRA EDIÇÃO DIGITAL – WWW.SARAIVAUNI.COM.BR — 2012.

4 – LIVRO “BALANÇO INTELECTUAL” – AUTORES: ANTONIO DE LOUREIRO GIL; JOSÉ CARLOS ARNOSTI – EDITORA SARAIVA DE SÀO PAULO – PRIMEIRA EDIÇÀO 2010 E EDIÇÃO DIGITAL — 2012.

5 – LIVRO “SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS”—AUTORES: ANTONIO DE LOUREIRO GIL; CESAR AUGUSTO BIANCOLINO; TIAGO NASCIMENTO BORGES – EDITORA SARAIVA SÃO PAULO – PRIMEIRA EDIÇÃO 2011.

6 – LIVRO “GESTÃO DA QUALIDADE EMPRESARIAL” – AUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL – PUBLICAÇÕES EUROPA – AMÉRICA DE LISBOA PORTUGAL – PRIMEIRA EDIÇÃO 2010 – Á VENDA NA LIVRARIA CULTURA ESQUINA DE AVENIDA PAULISTA COM A RUA AUGUSTA (SÃO PAULO – BRASIL).

7 – LIVRO “GESTÃO DE TRIBUTOS NA EMPRESA MODERNA” – AUTORES: ANTONIO DE LOUREIRO GIL; PAULO ROBERTO GALVÃO; FLÁVIO FERNANDES PACETTA; JOÃO ANTONIO PIZZO; JOSÉ EDUARDO MOGE; ROGÉRIO LEITE – EDITORA SENAC – SP – PRIMEIRA EDIÇÃO 2011.

8 — LIVRO “MICRO EMPRESA: GESTÃO INOVADORA E DIREITO”—ARTIGO / CAPÍTULO “INOVAÇÃO E RISCO: O AMBIENTE DA GESTÃO DA MICRO E DA PEQUENA EMPRESA NO SÉCULO XXI” – AUTOR: ANTONIO DE LOUREIRO GIL – EDITORA ÁGORA-RJ — PRIMEIRA EDIÇÃO 2015.

9 – LIVRO “AUDITORIA DA GESTÃO E DA OPERAÇÃO DO NEGÓCIO COM TI” – AUTORES: ANTONIO DE LOUREIRO GIL; CARLOS HIDEO ARIMA; NAPOLEÃO VERARDI GALEGALE —- EDITORA SARAIVA EDUCACIONAL —- PRIMEIRA EDIÇÃO 2016.

10 – LIVRO “GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL DE ALTO DESEMPENHO” – AUTORES: ANTONIO DE LOUREIRO GIL; PAULO ROBERTO GALVÃO; ROBERTO DE OLIVEIRA JUNIOR —- EDITORA JURUÁ-PR —- PRIMEIRA EDIÇÃO 2016.

PROFESSOR TITULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (UFPR)

PROFESSOR DE DOUTORADO E DE MESTRADO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP).

DOUTOR E MESTRE PELA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) COM TESE E DISSERTAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI).

OFICIAL DA MARINHA DE GUERRA DO BRASIL, FORMADO PELA ESCOLA NAVAL DO RIO DE JANEIRO (BRASIL) —- SERVIU NO CONTRATORPEDEIRO “PERNAMBUCO” (4) ANOS E NA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) (4) ANOS DA MARINHA DE GUERRA DO BRASIL.

EXECUTIVO E CONSULTOR DE EMPRESAS PRIVADAS OU GOVERNAMENTAIS NO BRASIL

AUTOR DE VINTE E UM LIVROS NO BRASIL E DE UM LIVRO EM PORTUGAL — EDITORA SARAIVA; EDITORA ATLAS; EDITORA SENAC – SP (SÃO PAULO – BRASIL); EDITORA ÁGORA (RIO DE JANEIRO — BRASIL); EDITORA JURUÁ (CURITIBA – PARANÁ); PUBLICAÇÕES EUROPA – AMÉRICA (LISBOA – PORTUGAL) —- OITENTA MIL EXEMPLARES VENDIDOS.

CONSULTOR, PALESTRANTE E COM ARTIGOS NOS ESTADOS UNIDOS, FRANÇA, ESPANHA, PORTUGAL, ISRAEL, MÉXICO, ARGENTINA, URUGUAI, PANAMÁ.